Nosso amor pelos cachorros é imenso e prestar atenção na saúde dos olhinhos deles é fundamental. Cachorrinhos tem sentidos muito bem conhecidos e usam muito o olfato e audição, como nós sabemos, para se orientar, mas visão deles, ao contrário do que acontece conosco, não é o uns dos principais sentidos para sobrevivência. E é muito desafiador com tutor – e mais ainda para o pet – acompanhar e entender o desenvolvimento de algum problema de visão que possa acontecer. Doenças nos olhos dos cães são muito comuns e um diagnóstico precoce pode aumentar as chances de sucesso no tratamento.

A perda da visão pode, de fato, limitar as atividades dos cães. Mas, não se desespere. “É muito comum a humanização do problema pelo tutor quando seu animal perde a visão. É perfeitamente aceitável que ele pense que o animal vai sofrer tanto quanto um ser humano e que terá as mesmas limitações que ele teria”, explica Luiz Felipe Barros, oftalmologista do Hospital Veterinário Sena Madureira. No entanto, os outros sentidos ajudam na adaptação do cão e algumas atitudes, como manter o ambiente em que o animal vive sem muitas alterações, também podem facilitar o processo.

Segundo o especialista, algumas raças têm maior predisposição genética para desenvolver determinadas doenças. “Por isso, os tutores devem reconhecer a importância da avaliação periódica por um médico veterinário desde os primeiros anos de vida”, ressalta ele.

É possível notar problemas oculares nos cães quando eles começam a demonstrar desorientação, mesmo que em ambientes familiares. “Ele bate a cabeça nos objetos, não encontra seus brinquedos e pode até ficar mais apático”, diz Luiz Felipe. O diagnóstico, entretanto, só é feito após os exames clínicos. “Avalia-se a função das estruturas oculares, como os reflexos, a produção de lágrimas e a pressão interna do globo ocular”, explica o veterinário.

Conheça as doenças oculares mais frequentes em cães:

cachorro pet usando óculos de grau

Ulcera de córnea
A condição gera lesões na córnea e pode ser causada por inúmeros fatores, desde traumas até alterações no posicionamento dos cílios. Na maioria dos casos, elas se originam destas alterações anatômicas, que agridem a superfície ocular e causam as feridas. A úlcera deve ser tratada até sua completa cicatrização, o que pode variar de uma semana, em casos menos graves, até 30 dias, em casos mais severos.

Olho seco
Ocorre quando há uma diminuição da produção de lágrima, na maioria das vezes, pela glândula lacrimal. Ele tem como principal causa uma alteração autoimune desta glândula, que reduz a produção da lágrima. Por não ter cura, seu tratamento deve ser realizado ao longo de toda a vida do animal, o que inclui a utilização de colírios que estimulem a produção de lágrimas. Cães da raça shih tzu e lhasa apso são mais propensos a desenvolver a condição.

Catarata
Esta condição é definida como uma alteração nas fibras que compõem o cristalino, mudando sua característica transparente e tornando-o opaco. Isso prejudica a visão dos animais, principalmente os cães da raça poodle, cocker e schnauzer. Além da causa genética, a catarata pode se desenvolver como consequência da diabetes e só pode ser tratada através de cirurgia.

Nosso intuito com esse post é instruir você, tutor do pet, a prestar atenção nesses possíveis sintomas que podem passar desapercebido. Como nossos valores envolvem cuidados com a visão de uma forma geral, todos assuntos que consideramos relevantes, gostamos de compartilhar com vocês. Lembrando sempre que todo diagnóstico sempre deve ser feito por um profissional certificado, no caso relacionado com esse artigo, por um veterinário. Estamos abertos à ouvir sua opinião sempre!

Artigo publicado por PetCidade.com.br

Foto por @jamie452

até a próxima, @celiomoncao xx

Comentários (0)

Por favor, note que os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados.